Chufa! A nossa tiririca

Chufa… a nossa tiriricaAqui chamamos de Tiririca, na Espanha chamam de Chufa. Tem aos montes na minha futura horta, tem por todo quintal, pela rua, em qualquer lugar com terra, se vê a famosa tiririca, uma vizinha dada a conhecer muitas ervas medicinais, disse que essa planta deveria ser estudada, pois certamente serviria para salvar vidas, curar doenças. É coisa de Deus uma plantinha ser tão resistente, e o sinal dos pássaros ela também tem, os pardais gostam de suas sementes. Dizem que tudo que eles comem é bom.

Fui no Google “caçar” utilidades para ela, descobri coisasCyperus esculentus muito legais, primeiro a danada não é veneno, é forte mesmo nasce em qualquer lugar, serve para não deixar o solo compactar, necessita de pouquíssimo nutriente para sobreviver, mas sofre sem o sol, inclusive essa informação é muito usada por quem não quer elas invadindo, plantam coisas que lhes faça sombra.

Mas eu fiquei pasma mesmo, foi ao descobrir que a nossa tiririca tem um nome diferente na Espanha, é tratada lá com muito carinho, e o que matamos aqui com kilos de veneno, lá cultivam lavouras enormes, é ingrediente de uma bebida nacional, cheia de valores nutricionais.

Conclusão? O que mata no mundo não é a fome, mas a falta de informação.

Me lembra do artigo da Embrapa falando do Amaranto que os agricultores não se convencem ser muito útil, e merece ser a cultura principal e não somente uma cultura de ajuda na conservação de solo.

Imagina suco de tiririca? Meu marido achou uma abominação: “[…]onde já se viu?! Isso é coisa lá de espanhol, a planta de lá deve ser outra, a nossa pode ser venenosa, já pensou nisso?”

Pra acabá, como diz minha filha, a danada não tem glúten, conheci uma criança numa creche que tinha essa restrição alimentar, é de partir o coração, magrinha e infeliz de não comer o que os outros comiam, se pelo menos ela fosse forte como os outros! Uma planta dessa ajudaria esse tipo de pessoa também.

Quanto preconceito… eu agora olho para o que antes era um canteiro cheio de tiriricas que eu ia arrancar e arrancar, sabendo que elas iam brotar e brotar, agora fico feliz que uma coisa tão boa criada por Deus, tão útil nasce expontaneamente no meu quintal, por todo meu país.

O que eu andei lendo:

Chufa – Milagre dietético – Aloé Vera
Cyperus esculentus – Wikipédia
Leche u Horchata de Chufa – En buenas Manos
Horchata de chufa – Wikipédia
El cultivo de la chufa – InfoAgro

E para completar, 3 ótimos vídeos, o 1º é do Jornal Espanha Directo, com uma jornalista muito simpática, conta tudo sobre a nossa desprezada Tiririca, mas muito querida por eles a Chufa de Valencia, no 2º o vídeo dá a receita da Horchata de Chufa a bebida que até o Papa Bento XVI tomou com toda sua comitiva quando esteve na Espanha, como mostra o 3º vídeo:

About these ads

16 Responses to “Chufa! A nossa tiririca”

  1. Renato Alves Says:

    Sobre o texto “Chufa! A nossa tiririca”, apresento algumas dúvidas.

    1. A planta espanhola, utilizada para elaboração de horchata é Cyperus esculentus. Nossa tiririca é Cyperus rotundus. Esta pode ser utilizada de forma similar que a primeira?

    2. Qual parte da planta fora utilizada para fazer suco, oferecido ao marido da autora? Toda a planta? Suas folhas e caules? Seu rizoma?

    3. Qual artigo da Embrapa diz respeito à repulsa ao amaranto por parte dos agricultores?

    4. Além das apresentadas e dos sites recomendados, autora possui outras informações sobre a utilização da tiririca?

    Cordialmente,

    Renato Alves.

  2. pipocadeamaranto Says:

    Oi Renato :) , vamos por partes…

    1. primeiro, deixa eu explicar… sou uma curiosa!:) Acho as coisas por acidente na net, e leio bastante até a minha curiosidade ser satisfeita, ou não, continuo depois, enfim… ;)

    2. vamos a primeira questão: pelo que entendi lendo sobre o assunto veja lá na matéria tem os links de tudo que li, os caras cruzaram, e cruzaram as espécies de tiririca até chegarem a essa bonitinha, redonda e dourada. A variedade esculentus, a nossa é rústica, pretinha e feiosa, mas é a mesma tiririca, tem as mesmas propriedades. E sim a receita é a mesma, colhe, lava bem, seca bem (desidrata) acho que assim é como a raiz da mandioca, qualquer toxina perigosa vai nessa secagem, depois eles colocam de molho de um dia pro outro, e moem, torcem e bebem o caldo, a tal da bebida horchata.

    3. a segunda questão: a batatinha, o rizoma dela, aquele que fica debaixo da terra, bem longe um do outro, fica mais fácil pegar aquelas que estão nascendo em horta – terra fofa, adubada… ela é oportunista a danada. Detalhe do gosto: não tem gosto de nada, tem gosto de tiririca, bebemos um pouco e ponto final, não virou minha bebida preferida, está guardado no meu arquivo mental “útil”.

    4. a terceira questão: eu sempre coloco onde eu li a barbaridade, pra não ficar de louca sozinha, então deixei o link lá, mas aqui vai para te facilitar http://www.plantiodireto.com.br/?body=cont_int&id=607, não é um absurdo? Assisti esses dias uma reportagem no programa Realidade – SBT com a Ana Paula Padrão, muito ótima falando de alimentos novos, alternativos, muito legal, ela falou bastante de amaranto, achei super legal, até da pipoquinha ela falou e mostrou, é gostoza :) e a repórter ficou bastante impressionada com a senhora que mostrou como fazer uma barrinha de amaranto, a mulher tinha aparência ótima de uns trinta e poucos anos e tinha na realidade cinquenta e poucos, e tinha tido 3/4 – não lembro agora, filhos em casa! O grãozinho tem mais proteína que carne, mais cálcio que leite, não é cereal – mas parece, precisava estar no mercado, e o pessoal da ciência não convense os caras de plantar. POde?! Triste isso.

    4. a quarta questão: não Renato, como falei aí encima, sou uma curiosa, e o que falei, li na internet que me encanta com a facilidade que se encontram informações que facilitam a vida.

    O prazer foi todo meu, volte sempre que quizer. :)

  3. aqui em portugal chamamos essa planta de chunça. é tratada como praga

  4. Esta planta (o suco do bulbo) pode ser usada como estimulante de enraizamento (não testei ainda), acelerando a obtenção de mudas por estacas e alporquia…uma alternativa à tiamina (vitamina B1), muito usada por bonsaístas, grupo do qual um dia ainda irei pertencer…quanto aos valores nutricionais, irei experimentá-la, sou fã de remédio caseiro e não suporto fármacos. Sds. Fred.

  5. Olha só… isso é interessante… me lembrei, depois do seu recado Fred, de uma reportagem que assisti tempos atrás… uma bióloga ensinando a plantar arruda, que é usada na medicina natural como remédio para dor de ouvido, eu mesmo usei várias vezes em mim, nas crianças, funciona! Ela plantava o galho, em terra adequada… e batia folhas de tiririca no liquidificador, e regava com ele as mudas acabadas de plantar, dizia ser para estimular o enraizamento.
    Agora você diz que são as batatinhas, legal, porque testei em arruda e alecrim o tal suco e nada, nadinha de raiz, vou experimentar a sua receita:) se funcionar eu conto aqui.
    Valeu a visita!

  6. Andressa Says:

    nuss…muito boas informações…irei desenvolver um projeto com esta plantinha e fui muito ajudada…parabens!!

  7. Por nada Andressa, na net a gente é sempre tão auxiliada por anônimos, eu apenas dividi, volte sempre :D

  8. MARISA LOPES Says:

    Olá Cris! Estava pesquisando sobre a tiririca quando eu encontrei seu texto. É que me falaram que a famosa erva “daninha” é boa para o controle de diabetes. Soube de um senhor que deixou de tomar insulina, mas mantém controle médico, devido à ingestão de chá de tiririca. Você já ouviu falar algo? Como eu poderia identificar a erva?
    obrigada

  9. Silvia - BH Says:

    Tom moralizante este “é tratada lá com muito carinho, e o que matamos aqui com kilos de veneno”, e precipitada a conclusão ” O que mata no mundo não é a fome, mas a falta de informação.” Mas está a divulgar algo que não existe, portanto uma informação erronea. Posto que interessante saber que é cultivada na Espanha, por favor procure ler sobre a importância da variação de especies de plantas, enquanto umas são comestíveis, outras podem até ser venenosas. Não é o caso da tiririca, pois se pesquisar, verá que é mato em todo o mundo mas várias culturas asiáticas usam-na medicinalmente. E de ftao, é bom enraizador. Em texto algum vi-a mencionada como alimento. Numa página da Embrapa mostra que pode ser responsável por perda de até 40% de uma lavoura. A tiririca no seu quintal pode ser fácil de controlar, mas pergunte pra gente da roça que cultiva qualquer coisa se podem deixá-la crescer livremente.

    O texto em português que fala da chufa é de Portugal, país vizinho à Espanha. Na página da Wikipedia sobre, cuja informação sempre é passível de correção, há uma extensa lista , mas não vai encontrar Cyperus rotundus. Aliás, na página em espanhol que menciona o genero verá que apenas mencionam o Cyperus rotundus mas não lhe dedicam um link. http://es.wikipedia.org/wiki/Cyperus Este é um dos cuidados que se deve ter quando a informação procede da Wikipedia, pois pode ser incompleta, como é o caso. Veja em outros idiomas, pesquise em português, pesquise páginas brasileiras, pesquise tiririca como alimento.

    http://es.wikipedia.org/wiki/Cyperus

    “El género Cyperus, establecido por Linneo en 1753, perteneciente a la familia de las ciperáceas está compuesto por unas 600 especies distribuidas por todos los continentes (…)”

    A observação do Renato foi pertinente e deveria resultar em mais pesquisa da sua parte para esclarecer se realmente a espécie que produziram na Espanha é a mesma daqui e do resto do planeta. Não é. É preciso corrigir o texto, e não ha´nada de vergonhoso nisto, ao contrário, só mostra rigor e honestidade na informação que passa aos outros. Do contrário, seu blog não pode ter credibilidade.

  10. Oi Silvia, falou, falou …mas não explicou, você parece ter muita opinião, mas quer de mim atitude de pesquisa?! Ué?

    Você não gostaria de acrescentar alguma coisa? Ao tema… além de analisar minha técnica, meu jeito de escrever no meu blog.

    Eu fiz minha contribuição, satisfiz minha curiosidade, não sou bióloga, não sou nutricionista, pra não parecer maluca, apenas coloquei as fontes de onde pesquisei para quem tivesse real interesse partisse daí, uma ajuda, uma gentileza… de minha parte claro, para os que entenderam.

    Só pra reforçar a apresentação minha neste blog, endereço do primeiro post – http://pipocadeamaranto.wordpress.com/2007/11/09/comeca-o-blog/

    Valeu sua visita, e da próxima vez que ler alguma coisa tão sem pé nem cabeça – pra você -, apenas ignore. Este blog é uma Caixa de Anotações – vide título -, não é uma revista científica sobre plantas, para isso existe fonte mais segura, e seguramente não é o Wikipédia.

    Blogosfera, diversão Silvia… ;)

  11. Se não entendeu, disse que está a divulgar uma informação errada.

  12. Oi Silvia, você que não entendeu, aquilo que leu no post não é uma “divulgação de informação”. É a “partilha de uma curiosidade”.

    Eu apenas dividi, e deixei lá, uma coisa que tomou meu tempo, por alguns minutos, achei interessante, se está errado ou certo…, é só minha opinião, não leve tão a sério, não fique brava, triste ou ansiosa… legal que suscitou questionamentos, curiosidade, isso é saudável. Talvez mais até que tal da chufa/tiririca/chunça é assim em Portugal?

    Vamos fazer assim… quer participar, daqui da minha caixinha? Vamos brincar juntas, eu não tenho tido muito tempo mesmo, nem muita paciencia com esse meu brinquedinho, mas achei curioso seu comentário, vamos fazer assim, você faz uma pesquisa bem, mas bem lindinha, cheia de detalhes técnicos, eu coloco ela aqui e digo que você que disse, olha só!!! E ainda linco as minhas maluquices do post ai de cima pra quem tiver tempo sobrando comparar as coisas, assim fica tudo democrático, ok, mas não esquece que essa caixinha vai continuar uma caixinha de anotações… :)

    Valeu a visita Silva, volte sempre.

  13. Oi Marisa!

    Mulher me distraí com o comentário da Silvia, esqueci de responder o seu, perdão… óia só… você me pegou sobre isso:)

    Bom pra diabetes… essa eu nunca tinha ouvido… vai ser anotado, num dia ai posso pesquisar melhor sobre isso vai que tem na net alguma coisa… interessante.

    Sabe que eu vi que ajuda nesse seu problema?! Não resolve mas ajuda com o diabetes, farinha de casca de maracujá, e não é só com o diabetes, ela ajuda no controle de colesterol também é por causa das fibras.

    Se compra em farmácia de manipulação, mas eu tenho uma receitinha ;), eu pego as cascas e junto elas no congelador, até dar uma boa quantidade, depois pego todas corto fininho, e seco bem no forno, e bato no liquidificador, penero, coloco junto com outras fibras na receita de pão. A gente sempre come tanta porcaria calórica… :) costumo colocar umas fibras na receita de pão, de bolo, nada que mude muito o sabor, deve ser psicológico… :D

  14. Olá,
    leiam esse texto muito interessante falando das espécies de Cyperus.

    A tiririca possui os mesmos benefícios de sua irmã espanhola.

    http://www.ao.com.br/m_tiriri.htm

  15. Mas voltemos ao nosso Cyperus rotundus que os nossos patos acharam tão delicioso manjar.

    “O Cyperus esculentus é apenas uma forma melhorada pela cultura do Cyperus rotundus, e tudo o que se diz a favor do primeiro é aplicável tal e qual no segundo”, (isto quer dizer que os tubérculos da tiririca merecem as virtudes que linhas atrás rifamos a favor da Chufa).

    É ou não admirável coincidência o fato de uma revista africana do norte “La Revue Française de l’arboriculture Fruitiére”, em seu fascículo de março de 1944, que acabamos de receber de Casablanca, Marrocos, publicar um largo artigo dedicado ao mesmo Cyperus rotundus, que é a verdadeira TIRIRICA, enaltecendo todas as suas utilidades e declarando que seus tubérculos constituem um dos produtos alimentares analépticos mais aconselháveis próprios para restaurar as forças, combater a fraqueza, a anemia, o emagrecimento etc. e tal? 0 artigo é assinado J. Gattefosse e não nos a possível reproduzi-lo devido a falta de espaço, alias falta de papel. Apenas resumiremos alguns dos trechos mais sugestivos, a seguir.

    “O óleo essencial do Cyperus rotundus foi estudado em 1931 por Hooper (Kew Bulletin) e em 1935 por Hedge et Rao (Parfumerie Moderne, 1936) mas é aconselhável que tais estudos sejam iniciados novamente, com os meios modernos de pesquisas e não mais para descobrir perfumes, pois a época não o permite, mas estudar suas virtudes alimentares.

    O Cyperus rotundus .e conhecido como analéptico e afrodisíaco desde longo tempo, quando pouco desde 4.000 (quatro mil!) anos, pois foram encontrados seus tubérculos nos Lipogeus da XII dinastia do Egito; os indígenas algerianos o empregavam nesse sentido e figura como analéptico no “Repertoire des plantes Medicinales et Aromatiques d’Algerie” (1942) assim como nas Farmacopéias oficiais da França, da Dinamarca e do México.

    E a favor da Chufa, escreve ainda o Dr. Gattefosse: “Na região de Valência (Espanha), a cultura da Chula é industrial; são preferidos os terrenos leves, frescos, senão úmidos, sendo que a irrigação só é praticada nos anos de secas prolongadas. Um tubérculo plantado produz anualmente diversas centenas; a colheita é feita em Setembro; duas outras capinas asseguram a limpeza da cultura.

    “A Chufa é principalmente aproveitada para o preparo da Orchata, bebida preferida por todas as classes da sociedade de Valência durante a estação calmosa.

  16. Anderson Conte Says:

    Olá,

    Achei muito interessante sua explicação sobre a Tiririca, já tinha ouvido várias pessoas falarem sobre esta erva e sua eficácia no controle da diabetes.
    Minha mãe é diabética e quero dar o chá para ela, porém estou com dificuldade, para encontrar, ou estou procurando em locais errados.
    Poderia me dar uma dica.
    Moro em São Paulo, capital.

    Grato

    Anderson

Comments are closed.

Follow

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: